Voltar à visão geral do blog

Negócio 15/11/2019

Esterilização — Como Manter a Higiene e Reduzir Custos em Hospitais

esterilizacao

Hospitais são locais em que a esterilização é algo de importância imensurável. Todos os instrumentos devem passar pelo processo para serem utilizados e evitar, assim, diversos tipos de infecção e outras doenças causadas pelo contato com bactérias.

Por ser um procedimento tão necessário, é essencial que o hospital tenha mapeados os recursos e os custos relacionados a eles. Sendo assim, é preciso conhecer os métodos de esterilização e quais podem ajudar a reduzir os gastos da instituição.

Tipos de esterilização

A limpeza dos materiais hospitalares pode ser realizada de diversas maneiras — que podem ser divididas entre químicas, físicas e fisico-químicas. Os tipos de esterilização mais frequentes são:

Por meios físicos

Os meios físicos de esterilização envolvem o uso de calor (seco e úmido), ou seja, eventos naturais, em diversas formas. Por não exigirem tantos recursos, podem auxiliar também na gestão de custos hospitalares relacionados à limpeza e segurança na instituição. Eles podem ser:

  • vapor saturado — feito com autoclaves. O GLP pode ser usado para gerar vapor úmido ou superaquecido. A água deve ser totalmente pura para a realização;
  • calor seco — estufas de ar quente são utilizadas para esterilização. O processo pode ser feito por incineração, raios infravermelhos ou flambagem. O ideal é aplicá-la somente à limpeza de instrumentos metálicos de corte ou de ponta;
  • radiação ionizante — em baixas temperaturas, é uma boa opção para materiais que são sensíveis ao calor. Envolve perdas e ganhos de cargas elétricas nos itens.

Por meios químicos

Os meios químicos de esterilização funcionam a partir da inserção do material em algum tipo de solução específica. Podem ser utilizados:

  • glutaraldeído — feito em solução aquosa, a limpeza pelo glutaraldeído é indicada para itens termossensíveis, como drenos, tubos e enxertos de plástico, entre outros equipamentos;
  • ácido peracético — usado para materiais termossensíveis, tem ação em temperaturas mais baixas. Não é indicado para alumínio anodizado, por ser incompatível com o material. Itens que passam por esse procedimento precisam ser usados logo após a distribuição.

Dentro dessa classificação há também os físico-químicos:

  • peróxido de hidrogênio — conhecido como água oxigenada, é um bom esterilizante. Entretanto, é corrosivo e exige cuidados na utilização. O plasma de peróxido de hidrogênio (mistura entre água, ácido acético e o peróxido) retira a ação oxidante da solução e permite a esterilização de mais materiais;
  • óxido de etileno — o mais recomendado entre os meios químicos. Sua ação gasosa é rápida e impede a multiplicação de microrganismos. Uma das maneiras mais seguras e eficazes de limpeza dos materiais.

Para mais informações sobre gestão e administração hospitalar, confira o blog da Supergasbras!