Voltar à visão geral do blog

Condomínio 02/06/2021

3 Dicas para Negociação Efetiva de Uma Dívida de Condomínio

jarra com moedas

Resolver uma inadimplência é sempre um processo delicado, e com uma dívida de condomínio não é diferente. Enquanto síndico, cabe a você tomar o lugar de credor e cobrá-la, mas é possível fazer isso de maneira tranquila, com um acordo que fique bom para ambas as partes.

Tem dúvidas sobre como realizar essa ação sem dores de cabeça? Confira as dicas para negociação efetiva da Supergasbras e solucione esse problema!

Conheça essas dicas para negociação efetiva da dívida de condomínio

O ideal é sempre manter a calma para entender a situação do morador. Mesmo assim, é importante frisar para ele quais são as regras relacionadas à inadimplência e quais são as opções para que ele possa quitar sua dívida de condomínio.

Veja só essas dicas para negociação efetiva com o condômino:

1. Entenda os motivos pelos quais a dívida de condomínio não foi paga

Moradia é o detalhe mais importante da vida de uma pessoa. Sendo assim, a dívida de condomínio provavelmente está entre as despesas prioritárias, o que significa que, se houve inadimplência, deve existir uma razão clara para isso. Ainda mais se for um condômino que não costuma atrasar a quitação.

O ideal aqui é humanizar essa cobrança. Converse com o devedor e tente entender o momento dele. Verifique os motivos por trás da falta de pagamento e, se possível, tente amenizar o desespero que venha dessa cobrança.

Uma prática efetiva é evitar enviar a dívida para o jurídico logo que ocorrer. Entre em contato com a administradora rapidamente e acerte os detalhes. Dessa maneira, você evita que a inadimplência afete os outros moradores.

2. Busque alternativas para a inadimplência

É improvável que uma cobrança sem flexibilidade funcione. Afinal, se o devedor não puder quitar os pagamentos à vista, de nada adianta insistir nisso, entende? Portanto, o melhor é buscar alternativas.

Dependendo do valor da dívida de condomínio, pode ser que não haja uma possibilidade de parcelamento. Nesse caso, estender o prazo é uma solução válida, e já ajuda na maioria dos casos.

Se a divisão em parcelas for praticável, você deve oferecê-la ao condômino já explicitando o número máximo de pagamentos que for viável.

3. Não abata valores da dívida

Entre as dicas para negociação efetiva, uma coisa que não aparece é ceder pedidos de descontos. Pode ser que o devedor solicite a retirada de encargos da dívida de condomínio (juros, multa e correção). Isso não pode ser feito! Esse valor pode, sim, ser pago nas parcelas do acordo, mas não pode ser removido.

Essa prática é considerada ilegal e pode gerar problemas em condomínios. Está previsto no art. 1336 do Código Civil: “O condômino que não pagar a sua contribuição ficará sujeito aos juros moratórios convencionados ou, não sendo previstos, os de um por cento ao mês e multa de até dois por cento sobre o débito”.

Agora que já conhece as principais dicas para negociação efetiva da dívida de condomínio, saiba como fazer um acordo de pagamento com o morador.